domingo, fevereiro 06, 2011

Em defesa da moda


Acabei de ler um texto a referente à moda, eu não tinha em mente o que postaria hoje e de repente ele surgiu em meus olhos, sabe quando algo aparece no momento exato que você precisa, pois é esse aparecimento súbito me levou a querer escrever sobre o outro lado da moda, do meu jeito mais 'real': um texto bem grande! [sim eu faço um esforço gigantesco e sintetizo bastante antes das minhas postagens, haha, mesmo não parecendo!]
No auge dos seus 17 anos, a pergunta que te fazem repetidamente, como se nada mais no mundo importasse é: ‘você vai prestar vestibular pra que?’ E essa pergunta te segue até que um dia, que você certamente nunca irá esquecer, você entra na faculdade. Que felicidade: nunca mais vou ter que escutar, ‘vai prestar o que?’ Você nunca mais vai escutar isso mesmo, a pergunta de repente muda para: ‘e aí, que área você vai seguir?’
No meu caso, para primeira pergunta entre tantas profissões, eu escolhi a moda. Para segunda eu só tentando fazer com que as pessoas entendam que eu não vou ficar desenhando o dia inteiro ou costurando, porque para maioria, só existem essas duas possibilidades.
Enfim, seguir uma carreira dentro da moda é estar preparado para enfrentar uma das profissões mais injustiçadas, não riam é sério, todo mundo acha que entende de moda. Então para que estudá-la? Já começa por aí! ‘não faz muito sentido estudar moda, você vai sentar na sala de aula e ler sobre o que vai usar na próxima estação?’ E mesmo que, algumas pessoas tenham a educação e a sutileza de não perguntar, elas pensam, é fato.
A moda tem lá suas contradições, de um lado esse grupo que não entende, acha que entende e deprecia-a com absoluta certeza que está correto em sua opinião.
De outro, aquele grupo que não entende, acha que entende e tudo que aparece na passarela julga maravilhoso.
E por fim um seleto grupo que realmente estuda e sabe que por trás de todas aquelas formas, cores, volumes houve muita pesquisa, pesquisa, pesquisa, noites sem dormir, inspirações e muito trabalho, seis meses sintetizados em cinco minutos.
O que mais é sintetizado assim? Quando eu vi essa realidade de perto, eu pensei em jogar tudo pro alto e seguir outra coisa, eu vou trabalhar incansavelmente, para quiçá, por muita, muita ‘sorte’, ter a glória de cinco minutos. Eu pensei bem e percebi que se tentasse ficar mais de cinco minutos, nada mais faria sentido e estaria velho.
Porque na moda é assim. É tudo tão rápido, que não dá para exigir mais que cinco minutos. O jeito é sair pensando na próxima ‘glória’, porque certamente alguém já está.
Se de um lado, eu defendo. Eu não poderia deixar de ficar inconformada com a aceitação que a moda fez das pessoas que não entendem nada, nunca irão entender nada e não fazem a menor questão de entender nada. Os eventos que dela se originam, passam longe do intuito para o qual se originaram.
Virou um evento social, para pessoas que vivem de aparições públicas se auto promoverem! Eu entendo que o evento, além do motivo para o qual ele realmente exista, ele possa ser um lugar de encontro para pessoas que vistam a mesma marca e então compartilham os mesmo interesses, possam se encontrar e ver o que ela vai trazer na próxima estação, mesmo que elas não entendam muito o que está sendo apresentado, elas compartilham do interesse comum, porque uma marca vende muito mais que roupas, ela vende um estilo de vida. Mas têm pessoas circulando pelos corredores, que nem estilo de vida tem a compartilhar, é essa ‘fama’ ainda inalcançada que exige um grande ‘esforço’ para estar em qualquer mídia, mesmo que para falar frases prontas e clichês.  
Afinal, o que significa um desfile de moda? Porque são nas semanas de moda que a crítica encontra seu auge, e realmente há o que criticar, o ‘subcelebridadismo’ exacerbado, que joga a moda a total futilidade. Ao invés disso, miram para os desfiles. É sempre mais fácil julgar aquilo que não se entende. Alguém, antes de falar que as peças são horrendas e que ninguém usaria isto ou aquilo, realmente perguntou-se o que significa e o qual a intenção de ocorrer um desfile que apresenta uma coleção? É, não!
As pessoas que julgam, sem conhecimento a priori, julgam acreditando que entendem de moda, ‘porque todo mundo entende de moda.’
Banalizaram tanto, que eu até entendo as pessoas leigas acreditarem que realmente entendem a moda. Uma coisa é você julgar-se capaz de escolher entre essa ou aquela peça que você irá vestir. Outra coisa é apontar e dizer que o que aparece na passarela é coisa de outro mundo e que ninguém usaria aquilo, com um desdém, que me leva a uma vergonha alheia, de tanta pobreza e falta de conhecimento para se comentar de determinado assunto.
Bem, a intenção do meu blog, nunca foi discutir os problemas ‘invisíveis’ a olhos comuns que a moda como ciência de estudo encara, mas como um blog é uma extensão da sua vida pessoal, ou deveria ser a princípio, não tem como não comentar palavras que acabam com aquilo pelo qual você estuda e acredita. Eu não digo isso a algo em específico, os comentários sobre a superficialidade da moda são gerais. Ainda assim, por mais eu ache incrivelmente engrandecedor escrever sobre isso, é um parênteses dentro de assuntos mais ‘reais’ na vida da maioria dos leitores, como que roupa eu vou usar na próxima estação, nada mais justo as pessoas que não possuem a moda como carreira se interessarem em saber tais informações, é como eu pesquisar que cor está em evidência para pintar a minha casa, que design de carro está mais em alta ou ainda o que de mais novo existe em tratamentos médicos, cada um na sua área e mutuamente se respeitando.  
Sessão desabafo, alguma coisa está muito errada! É o que tem para hoje!
Renata Secco

2 comentários:

  1. Desabafo lido. (huashuahus)

    ResponderExcluir
  2. hahahaha, obrigada amiga!
    agora sei que alguém leu minhas críticas! hahah

    ResponderExcluir